Featured

Posições Sexuais para Homens cadeirantes

17:27:00
ATENÇÃO

CONTEÚDO PARA MAIORES DE 18 ANOS!



Já fizemos um post sobre posições sexuais para mulheres cadeirantes e agora chegou a vez das "Posições para Homens cadeirantes", vamos nessa?

Para uma relação sexual ser prazerosa não é necessário que se faça posições mirabolantes, muitas vezes o simples acaba sendo fantástico e muito prazeroso. 

Por isso, vamos te ensinar algumas posições diferentes e que maioria dos homens com alguma deficiência podem fazer sem nenhuma dificuldade e ao mesmo tempo terá momentos "calientes" e de grandes emoções. Veja a seguir:


"Cavalgada"

Nessa posição a mulher fica no controle e comanda o ritmo. Enquanto o homem está deitado de frente, a mulher senta em cima dele. Muito excitante para eles poderem relaxar e observar o espetáculo. Essa posição é a mulher que acaba fazendo mais forças com as pernas e joelhos.

"De ladinho"

Deitados na cama, com os dois de lado e o homem por trás. Essa posição além de excitante pode ser muito romântica. Por deixar as mãos do seu parceiro livres, permite muitos carinhos e um abraço apertado, além de beijos no pescoço e orelha. O homem pode ter uma boa visão das suas costas e do seu bumbum. Também é muito indicada para o sexo anal, justamente por permitir que as mãos do seu parceiro a ajudem com estímulos manuais.
"Abraço Quente"

Essa é a melhor combinação de um abraço e um sexo quente. Deitem-se de lado, olhando um para o outro e abracem-se. Passe a sua perna por cima do quadril dele e podem começar a penetração. Como é uma posição mais romântica, aproveitem para deixar tudo mais lento e sensual com beijos leves e ritmo menos intenso.

"Bailarina agachada"

 Essa posição imita um passo do balé. E quem fica em pé é a mulher, enquanto o homem se deita e ambos fazem os movimentos segurando as mãos um do outro.

"Encaixada"

Com o homem sentado na beirada da cama ou em uma cadeira, a mulher senta por cima dele, de frente ou de costas. É melhor que você consiga alcançar o chão com os pés para ter maior segurança e controle dos movimentos. As mãos ficam livres para todos os tipos de carícias.

Nessa mesma posição é possível aproveitar de formas diferentes como podemos ver nas imagens a seguir:



Via:
www.dicasdemulher.com.br
www.altoastral.com.br
novamais.com

Exposição de Kica de Castro promete grandes surpresas!

16:59:00

Mulheres diversas, com suas histórias, mostrando o quanto vivências e diferenças podem ser belas.

Esta é a proposta da exposição Retratos Inclusivos que também recebe o nome da coluna assinada pela fotógrafa paulistana Kica de Castro na nossa Revista Digital Tendência Inclusiva.

A Tendência Inclusiva em parceria com Kica de Castro Fotografias abriu, no final de junho, inscrições para todo estado de Minas Gerais afim de selecionar mulheres com características bem comuns em nossa sociedade mas que, por algum motivo, se tornam invisíveis, não são aceitas e são excluídas quando se trata do universo da moda. 


Várias mulheres se inscreveram com o desejo de participarem deste ensaio fotográfico que, com toda certeza, vai surpreender o mercado fashion que insiste em não enxergar o quão é valorosa a diversidade feminina. 


Retratos Inclusivos vêm com o intuito de quebrar paradigmas escancarando aos olhos da sociedade para o fato de que pessoas podem ser belas mesmo não seguindo um padrão de beleza.

Com parceiras fortes e uma equipe antenada e engajada o ensaio fotográfico aconteceu nos dias 10 e 11 de julho deste ano na belíssima e estilosa Casa Ateliê em clima de muita alegria e descontração sem deixar o profissionalismo de lado.

Com a convicção de que estes dois dias fizeram a diferença na vida destas mulheres e de toda equipe, a exposição Retratos Inclusivos, planejada desde o surgimento de nossa revista, com pioneirismo traduz ousadia ao apresentar fotos das quais fará você refletir o conceito de beleza.

A exposição Retratos Inclusivos será lançada em breve na capital mineira. Fique de olho!


O ensaio fotográfico Retratos Inclusivos é uma realização da Revista Digital Tendência Inclusiva e Kica de Castro Fotografias​ e conta com o apoio de Miriam Lima da Interno Estilo, Programa Viver Eficiente, Casa Ateliê, Fale Certo, Odette Castro Design de Eventos e Plante essa Ideia Adriana Buzelin.

Tendo como parceiros ATMO, Aparecida Blanc Vestidos de Noivas, Nuu Shoes, JUst.Place, M'adri, Heliana Lages, Lu Henriques, Maria Antônia Calmon, Valeria Mansur, Flores Amadeu Scarpelli, Rejane Soilho, Fernanda Comelli, Cidinha Mello, Edina Padua e Vanessa Toledo.
Via: www.tendenciainclusiva.com.br



Escola exclui criança com Asperger de evento e pai desabafa

16:31:00


Após ouvir de um funcionário da escola onde seu filho Jacob, de sete anos, estuda que seria melhor não trazer o menino à escola no dia de um evento esportivo, Mark Birchall, de 28 anos, fez um desabafo nas redes sociais sobre a solicitação do funcionário e sobre inclusão.

Jacob, o filho de Mark, tem síndrome de Asperger, e por conta disso a inclusão social é um grande desafio para ele. Quando sugeriu que a criança deveria ficar de fora do evento, o funcionário da escola justificou o pedido dizendo que Jacob poderia "causar uma cena".

Sobre a situação, Mark, além de uma reclamação formal à escola, compartilhou um depoimento nas suas redes sociais:

"Meu filho sofre com a síndrome de Asperger e luta com a inclusão social e "brincar com amigos", como uma escola deveria pensar, deveria ser de grande interesse para tentar e incluí-lo tanto quanto possível nas atividades.

Alguns dias atrás, um dos professores de "necessidades especiais" se aproximou e me disse que no dia 18 de julho seria o "Dia dos esportes", e que eu deveria manter Jacob fora da escola até o período da tarde, pois ele poderia não gostar de ver outras crianças ganhando as competições, e como haveria pais presentes, ele não queria que houvesse cenas caso Jacob se abalasse por não ganhar uma corrida.

Então, em vez de ir acima e além de incluir uma criança com necessidades especiais no Dia dos Esportes, eles me fizeram sentir como se eu tivesse que mantê-lo afastado até que o evento estivesse finalizado, tirar a manhã do trabalho para cuidar dele, sair e comprar para ele sua própria medalha e explicar por que ele não teve permissão para ir ao "Dia dos esportes".

É uma piada uma escola não apoiar crianças com necessidades especiais. Meu filho não voltará em setembro."

De acordo com os pais, o menino ficou com os olhos cheios de lágrimas quando soube que não poderia ir ao evento.

Após o ocorrido, a direção da escola pediu desculpas pela "sugestão inadequada" e disse que a instituição é classificada como "boa" pelo Ofsted -órgão que avalia e classifica a qualidade das instituições de ensino.

"Foi desagradável separá-lo. Estão excluindo ele, exatamente o que você não deve fazer com crianças com necessidades especiais", comentou Mark.

O pai relata que precisou tirar um dia de folga de seu trabalho e organizar um "Dia do esporte" em sua própria casa. "É difícil aceitar mudanças súbitas assim quando você tem autismo. O autismo não é uma deficiência física e visível, sinto que as pessoas com autismo não são aceitas da mesma maneira".

Em resposta ao post no Facebook, Mark recebeu muitas mensagens de apoio de outras famílias compartilhando relatos pessoais e demonstrando choque com a situação.

8 Destinos e equipamentos acessíveis no Brasil

13:23:00

Muita gente ama viajar, conhecer outras culturas, visitar pontos turísticos... Mas sabemos que nem todo local é acessível para nos receber. Por isso, te convido a conferir esta matéria até o fim, pois está cheia de dicas para você poder conhecer o Brasil inteiro, confira:




Bonito (MS)
Considerado um dos melhores destinos de ecoturismo do Brasil, Bonito está localizado na região Sudeste do Mato Grosso do Sul e guarda paisagens excepcionais. Entre os principais atrativos da região, estão banhos em cachoeiras, trilhas, passeios de bote e observação da fauna aquática em rios de águas cristalinas. Quem for mais corajoso pode encarar o Abismo Anhumas, que possui um rapel com 72 metros de altura em uma fenda que dá acesso a um lago de águas calmas, onde é possível praticar mergulho.
Acessibilidade:
Deficiência auditiva, física ou motora e visual.
Guias de Turismo: preparados e treinados para atenderem em condições especiais.
Atrativos: flutuação no Aquário Natural de Bonito ou no rio Sucuri, rafting no rio Formoso, rapel no Abismo de Anhumas acessíveis a pessoas com mobilidade reduzida e com deficiências.
Infraestrutura: faixas de pedestre com sinalização visual e tátil, calçadas largas e piso antiderrapante e regular.

Brotas (SP)
A capital da aventura, como é conhecida, é um dos roteiros mais conhecidos entre os que gostam de esportes radicais, como a prática do rafting, passeios aquáticos em botes, canoagem, canyoning, e outras aventuras. Isso porque as belezas naturais de Brotas – o seu relevo bastante peculiar composto por “cuestas” e o grande manancial hídrico – propiciam muito mais do que momentos de relaxamento. Aqui, a adrenalina faz parte do ambiente.
Os seus rios, suas cascatas, as matas preservadas e, ainda, as várias opções de estadia e uma infraestrutura completa atraem cada vez mais turistas.
Acessibilidade:
Deficiência auditiva, física ou motora e visual.
Atrativos: atividades como balonismo, rafting e tirolesa são adaptados para pessoas com dificuldade de locomoção e cadeirantes.
Há disponibilidade de quartos adaptados para cadeirantes.

Fernando de Noronha (PE)
Formado por 21 ilhas e pertencente ao estado de Pernambuco, o arquipélago de Fernando de Noronha chega a ser escandaloso de tão bonito. A vegetação abundante e as águas azuis cristalinas formam cenários cinematográficos e são o habitat de várias espécies de tartarugas, tubarões, cardumes de peixes coloridos e golfinhos.
Profissionais e amadores do mergulho procuram regularmente Fernando de Noronha. O arquipélago permite visibilidade até 50 m de profundidade, com temperaturas agradáveis, em torno de 28°C.
Acessibilidade:
Deficiência física ou motora e mobilidade reduzida.
Postos de Informação e Controle (PIC):
PIC Golfinho-Sancho: conta com duchas, loja, aluguel de equipamentos, lanchonete e banheiros adaptados. Tem também uma passarela suspensa, ligando os Mirantes dos Golfinhos, do Sancho e dos Dois Irmãos.
Praia da Baía do Sueste: equipe de apoio para pessoas com mobilidade reduzida para nadar na praia, banheiros adaptados para cadeirantes, rampas de acesso e cadeira anfíbia.
Pousadas, bares, restaurantes, trilhas, ônibus adaptados para receberem pessoas com deficiência.

Fortaleza (CE)
Conhecido por seu carisma e por sua espontaneidade, o povo do Ceará costuma receber seus visitantes de braços abertos e com muita alegria.
Em Fortaleza, a capital, os dias são paradisíacos, e as noites, agitadas, garantindo diversão em todos os dias da semana. Na Praia do Futuro, há barraquinhas em toda a orla, cada uma com um estilo musical e decoração própria. Os quiosques oferecem água de coco, frutos do mar e batidas de frutas diversificadas.
No litoral oeste do estado, você pode conhecer praias deslumbrantes, como Cumbuco e Jericoacoara. Cercada por dunas e lagoas, a famosa Jeri atrai gente do mundo todo para suas pousadas de charme.
Na costa leste, as praias mais famosas são Canoa Quebrada e suas enormes falésias, e Morro Branco, com areias coloridas que servem de matéria-prima para o artesanato local.
Acessibilidade:
Deficiência auditiva, física ou motora, visual e mobilidade reduzida.
Aeroporto: o Aeroporto Internacional de Pinto Martins oferece infraestrutura completa para pessoas com qualquer tipo de deficiência, além de transporte em local exclusivo para melhor comodidade.
Transporte: Fortaleza oferece transporte gratuito, como ônibus e metrô, para qualquer pessoa portadora de deficiência. Além desses transportes, existem vans e táxis adaptados para atender a população.
Atrações: um dos principais destinos, o Beach Park, conta com estrutura de segurança para os visitantes. Parte dos apartamentos dos resorts do Beach Park foi construída para receber portadores de necessidades especiais, inclusive com banheiros adaptados. O complexo também conta com várias rampas de acesso. No parque aquático, contudo, os brinquedos radicais de queda livre, por questão de segurança, não podem ser utilizados por esse público, mas estão liberados para deficientes visuais.
Hotéis: possui vasta rede hoteleira com hotéis totalmente acessíveis.

Foz do Iguaçu (PR)
Foz do Iguaçu é um dos símbolos do Brasil. Um turbilhão de águas se lança de elevadas escarpas de basalto criando um espetáculo inigualável: os 275 saltos que formam as Cataratas do Iguaçu. Esculpida há 120 milhões de anos, essa maravilha da Natureza está no coração de um rico ecossistema que abriga diversas espécies animais ameaçadas de extinção. Localizadas na fronteira entre Brasil e Argentina, as Cataratas atraem milhares de turistas todos os anos. Quem visita tem a possibilidade de caminhar por passarelas que levam a poucos metros da maior de todas as quedas d’água, a Garganta do Diabo, além de apreciar a mata exuberante do Parque Nacional do Iguaçu, considerado a maior reserva de floresta pluvial subtropical do mundo e declarado Patrimônio Natural da Humanidade pela Unesco.
O lago, formado com a construção da central hidroelétrica de Itaipu, também oferece opções de diversão com praias artificiais, ancoradouros, marinas e parques. Durante a visita à maior central hidrelétrica do mundo, é possível observar a imponência da obra e das águas pelo lado exterior e interior da central. O Complexo Turístico de Itaipu oferece, ainda, atrações e atividades em território brasileiro e paraguaio.
Acessibilidade:
Deficiência auditiva, física ou motora, visual e mobilidade reduzida.
Aeroporto: Internacional de Foz do Iguaçu Cataratas possui parcial infraestrutura para deficientes visuais e de mobilidade reduzida.
Transporte: a cidade conta com uma frota de ônibus acessível, mas táxis e outros meios de transportes são em uma quantidade reduzida.

Maceió (AL)
Os coqueiros fazem parte da paisagem de todo o litoral de Alagoas. Eles podem ser avistados, por exemplo, de uma das jangadas de velas coloridas que levam os visitantes às piscinas naturais da praia da Pajuçara, em Maceió, capital do estado.
As piscinas são formadas durante a maré baixa, entre bancos de areia e arrecifes próximos à costa, e são tão rasas que permitem a observação dos peixes a olho nu. A travessia de jangada dura cerca de 15 minutos.
O estado é repleto de lindas praias azuis e esverdeadas de águas mornas e aconchegantes, como as praias do Francês, de Maragogi, do Gunga e de Paripueira.
Outro importante atrativo de Alagoas é o rio São Francisco, o Velho Chico, muito importante economicamente para todas as localidades que atravessa.
A culinária típica é à base de frutos do mar e uma das mais tradicionais iguarias alagoanas é o sururu, um tipo de molusco preparado com leite de coco.
Acessibilidade:
Deficiência auditiva, física ou motora, visual e mobilidade reduzida.
Aeroporto com ótimas condições de acessibilidade dentro das normas técnicas, com painéis em braile e cadeira para pessoa com pouca mobilidade.
Jangada Acessível: piscinas naturais que podem ser acessadas em jangadas até três vezes mais largas, próprias para transportar cadeirantes e pessoas com mobilidade reduzida.
Projeto Praia Acessível: em abril de 2015, foi lançado pela Secretaria Municipal de Esporte e Lazer (Semel) na Praia da Pajuçara, inclui atividades como banho de mar em cadeiras anfíbias, bocha adaptada e stand up padle para cadeirantes, por exemplo.
Hotéis: Segundo dados da ABIH-AL, 100% dos hotéis em Maceió associados cumprem a lei Nacional em relação à acessibilidade.

Rio de Janeiro (RJ)
Atrativos naturais deslumbrantes, espontaneidade que transforma tudo em festa e acolhimento, monumentos icônicos famosos em todo o planeta. Tudo isso torna a cidade do Rio de Janeiro um destino incomparável e inesquecível.
Com 450 anos de história, o Rio abriga tesouros fascinantes em seus museus de invejável acervo Terra do Carnaval e do samba, também tem inúmeros teatros, casas de shows, centros comerciais e gastronômicos abertos durante todo o ano.
Mas é a combinação das características geográficas – o mar, a montanha, a floresta – com a presença humana que garantem ao Rio de Janeiro a condição de cidade única. Vários pontos da cidade são envoltos por paisagens extraordinárias. Foi a primeira cidade do mundo a receber da Unesco o título de Patrimônio Mundial na categoria Paisagem Cultura
Além de seus atrativos mais famosos, como o Cristo Redentor, uma estátua art déco de Jesus Cristoe o Pão de Açúcar, um complexo de montanhas, a cidade permite outros incontáveis programas voltados para natureza, aventura, religião, história e cultura, como os passeios pelo Jardim Botânico e no bondinho de Santa Teresa, as visitas à Catedral Metropolitana e ao Museu de Arte Moderna e a possibilidade de voar pela cidade partindo da rampa da Pedra Bonita.
Acessibilidade:
Deficiência auditiva, física ou motora, visual e mobilidade reduzida.
Aeroporto Santos Dumont com instalação para deficientes visuais como: sinalização no chão; mapa do aeroporto em braile; pessoal qualificado para acompanhar a pessoa, caso seja necessário. Banheiro acessível para cadeirantes e telefones públicos acessíveis.
A cidade passou por uma vasta reforma para receber as Olimpíadas e Paralimpíadas e há obras em andamento para melhorias quanto à acessibilidade.
Atrativos: a Lagoa Rodrigo de Freitas que recebe competições é um local tradicional do passeio de pedalinho, que agora conta com embarcações motorizadas para tornar o passeio acessível a todos os visitantes. Para visitar o jardim Sensorial do Jardim Botânico do Rio de Janeiro  é preciso vendar os olhos para sentir as plantas de diferentes texturas e aromas, escolhidas especialmente para aguçarem os sentidos, principalmente o tato e o olfato. Por isso, é uma atração imperdível para quem é portador de alguma limitação visual.
Hotéis: hoje o Rio oferece uma variada escolha de hotéis que são acessíveis e, além de ter a infraestrutura adequada, também oferecem transporte exclusivo para tour na cidade.

Socorro (SP)
Para quem gosta de aventura e muita adrenalina, a cidade de Socorro, no Circuito das Águas Paulista e a 115 km de Campinas, é uma ótima opção para os corajosos.
Conhecida como Cidade Aventura, o município oferece aos visitantes mais de 20 atividades radicais que podem ser feitas na terra, no ar e na água, como rafting, arvorismo, boia-cross, tirolesa, entre várias outras. Os parques de turismo de aventura são ótimas opções para passar o dia fazendo as atividades em um só lugar. Eles oferecem toda a infraestrutura de segurança e guias capacitados, além de restaurantes, vestiários, chuveiros e estacionamento. Nos parques, o turista tem a opção de passar o dia se divertindo ou apenas relaxando, tomando sol à beira do rio ou das piscinas.
Em Socorro, também está localizada uma das maiores tirolesas do Brasil com mais de 1 km de extensão e a única que atravessa dois Estados: São Paulo e Minas Gerais. Na “Tirolesa Voadora”, ao contrário das tirolesas tradicionais, o visitante faz a travessia deitado de bruços.
A cidade oferece, ainda, turismo de aventura acessível, proporcionando momentos de lazer para pessoas com deficiência física ou mobilidade reduzida. Entre as mais de 20 atividades de aventura que oferece hoje, dez já foram adaptadas, incluindo os circuitos de arvorismo, rafting e rapel.
Acessibilidade:
Deficiência auditiva, física ou motora, visual e com mobilidade reduzida.
Hotéis: quartos adaptados para cadeirantes.
Restaurantes: adaptados para deficientes físicos e visuais.
Turismo de aventura (como rafting, cavalgada, rapel, arvorismo, tirolesa, boia-cross, acqua-ride e caminhada) acessíveis a pessoas com mobilidade reduzida e cadeirantes.
O transporte é adaptado.
Os atrativos turísticos do centro histórico são interligados por um piso tátil, e os semáforos possuem recursos sonoros.
Os telefones públicos são adaptados para pessoas com deficiência auditiva.
Banheiros e rampas pela cidade.
Recebeu o prêmio, em 2014, Rainha Sofia de acessibilidade.
Via: www.visitbrasil.com

Conheça, Aline...

17:17:00

Sou a Aline, moro em Brasília e tenho 20 anos, solteira a procura de um love! rs...
Fiquei paraplégica aos 16 por bala perdida, nasci de novo. Tive uma  lesão T10t7 incompleta. 

Depois da lesão fiquei um tempo sem estudar, mas depois voltei ás aulas pois nunca é tarde, né? rs... No começo não foi nada fácil, sofri muito com a dor neuropática (essa dor não é de Deus ), depois que comecei a fazer fisioterapia aí a dor diminuiu bastante.

Um dos momentos mais difíceis da minha vida, foi a depressão. Foram momentos difíceis, mas consegui colocar na minha cabeça que se eu estou viva, preciso me aceitar sim. 

SOU UM MILAGRE DE DEUS, ele me ajudou muito pois sou ex usuária de drogas e Ele me ajudou nessa etapa, operou mais um milagre na minha vida me LIBERTOU DESSE VÍCIO MALDITO! 

Graças à Deus, minha Família sempre teve ao meu lado, acho que se não fosse por eles eu não suportaria. A cada dia tive o apoia da minha família e de Deus, sempre me dando força pra viver um dia de cada vez !

Meu futuro? hmm.. Quero fazer minha faculdade, talvez cursar Relações Internacionais,  Psicologia , Direto ou jornalismo... estou em dúvida entre esses. Quero construir uma família e  ter filhos , queria ser modelo também kk vai q cola!? Mas o importante é que nunca vou desistir e sei que vou conseguir!

@alinennsz

Somos Mulheres e temos Deficiência... ACEITE!

18:01:00







Vivemos em uma cultura onde a mulher precisa ter um corpo perfeito para ser considerada bonita, vestir-se corretamente para não chamar a atenção de nenhum homem, "dar conta" do marido para ele não "procurar na rua o que falta em casa", entre outras coisas... São imposições que a sociedade estabelece às mulheres, que as deixam totalmente sem escolhas.

Além destas regras, nós mulheres com deficiência acabamos sofrendo outros tipos de opressões/discriminações e muitas não percebemos.

-A todo momento somos pressionadas a sermos mães para provar a nossa fertilidade;
-Precisamos "agradecer à Deus" por termos um companheiro(a) que aceite estar em um relacionamento com uma pessoa com deficiência; 
-Precisamos conseguir limpar a casa, pois é a nossa função como mulher; 
-Precisamos provar que podemos atrair alguém, e que somos iguais as mulheres sem deficiência.


Esses pensamentos acabam se tornando uma verdadeira ditadura e fazem com que muitas de nós acreditemos que são reais, que somos obrigadas a aceitar pois é "normal"! 
Mas, preciso te dizer uma coisa: ESTÁ TUDO ERRADO!

Uma leitora, a qual não iremos identificar, aceitou dar seu depoimento sobre um relacionamento que teve:

"...Sou cadeirante, vivi num relacionamento de 4 anos e ele sempre falava frases do tipo: "eu vivo em torno de ti... você nunca vai encontrar alguém que faça, o que eu faço, por você"; muitas vezes me chamava de acomodada, preguiçosa... 


Pessoas próximas, e até desconhecidos, viviam dizendo que eu deveria agradá-lo de todas as formas possíveis e que eu deveria ter muita gratidão por tudo que ele fazia pra mim...Cansei de ver ele receber "parabéns" por estar comigo, como se ele fosse um guerreiro por me aguentar.


Depois do termino, entrei para um grupo de mulheres com deficiência e foi lá onde descobri que muitas delas também já tinham passado por tudo isso. Foi no grupo que descobri que meu relacionamento era abusivo e que a culpa não era minha...

O pior de tudo é saber que todos me acham uma ingrata por não ter valorizado o belo homem que estava ao meu lado..." 

Fernanda Harter (futura Assistente Social), é feminista e afirma que é de grande importância que as mulheres com deficiência se unam para juntas apoiar uma à outra.


Fernanda Harter
"...Acredito que o feminismo, enquanto movimento que luta pela emancipação e pela garantia das mulheres de serem elas mesmas, tem muito a agregar no movimento da pessoa com deficiência, pois ajuda as mulheres com deficiência entender a sua condição de mulher, e passar pelo processo de aceitação, entender que tudo bem ela ter uma deficiência. 

Não aceitar qualquer amor, ter o direito de escolha, não viver em um relacionamento onde está infeliz só por medo de não encontrar outra pessoa. O feminismo ajuda a entender que a mulher pode ser quem e o que ela quiser..."

Por sua vez, a publicitária Fatine Oliveira também vem lutando pelo feminismo das mulheres com deficiência. Veja o que ela diz sobre isso:

Fatine Oliveira
"... É muito comum pessoas com deficiência comentarem sobre a dificuldade de encontrar parceiros e a solidão que isso provoca. Para as mulheres com deficiência esse sentimento se reforça por não se encaixar ao padrão de beleza social, por isso muitas acreditam que jamais encontrarão homens capazes de amá-las ao ponto de assumirem uma relação mais duradoura, levando-as a se manter em relacionamentos abusivos por medo de ficar sozinha. Quando a deficiência é mais severa esse quadro piora. Como a vítima não tem condições de se defender é comum a prática de estupro por pessoas próximas ou familiares. 

Infelizmente pela falta de reconhecer-se mulher e compreender seus direitos e valores como tal, muitas mulheres com deficiência desconhecem seu papel no feminismo, participando pouco do movimento. Por esse motivo, quase não se vê nossas pautas serem discutidas ou cobradas em eventos sociais. É necessário uma união de esforços, bem como estudar mais sobre o tema e entender sua importância para que possamos avançar nessa luta..."

Somos Mulheres e temos Deficiência! Não somos obrigadas a nos adaptar para ser igual à ninguém. É essa sociedade (por vezes cruel) que deve nos enxergar e respeitar nossos direitos e escolhas. Devemos nos conscientizar de que isso é errado e a nossa deficiência não é o motivo para sermos obrigadas a aguentar tudo isso!

Grande parte das mulheres com deficiência sofrem discriminações físicas/psicológicas vindas de pessoas (muitas vezes próximas) que não aceitam nossas diferenças. 

Se você estiver sendo pressionada psicologicamente ou fisicamente a fazer algo que você não quer, ligue para o número 180 que você receberá apoio e orientações sobre como resolver esse problema, ou se preferir, envie-nos um e-mail e converse conosco (cantinhodoscadeirantes@hotmail.com)!

CORPO FECHADO - Dica de Filme

16:28:00
Sabe aquela história que "todo cadeirante é um herói"? Pois é, sinceramente eu não gosto muito disso porque me considero igual a qualquer um... Mas no filme "Corpo Fechado"  mostra que todos, cadeirante ou andante, de alguma forma pode ser um "Super Herói" ou "Vilão"!

O personagem Elijah Price (Samuel L. Jackson) nasceu com o Tipo 1 da osteogênese imperfeita, conhecida como "ossos de vidro", onde os osso podem se quebrar facilmente. Durante suas muitas estadias no hospital, onde seu único passatempo era ler histórias em quadrinhos, Price teoriza que se ele é frágil, deve existir alguém que é o seu oposto, inquebrável.

Anos mais tarde, o segurança David Dunn (Bruce Willis), também está procurando significado na sua vida. Há muitos anos ele foi o único sobrevivente de um terrível acidente de trem que resultou na morte de 131 pessoas, onde ele não sofreu nenhum arranhão. 

Exatamente por isso que Elijah entra em contato com ele e apresenta a teoria de que David pode ser um super-herói igual aos que as revistas em quadrinhos falam. David acha que essa história era uma grande loucura e se afasta de Elijah. Mas de tanto que ele insiste, David concorda em ouvir Elijah, e ele começa a testar seus super poderes.

Eu acabei locando o filme na locadora, pois na internet eu não achei. Único vídeo que encontrei foi este aqui em baixo:


Wikipédia 

Namorar com alguém com deficiência Não é "Inspirador"... é Normal!

05:12:00


Como sempre faço todos os dias, entre às 19h e 21h, eu vou à academia. Esta semana não seria diferente se um fato não tivesse chamado minha atenção: um rapaz e uma garota fazendo exercícios juntos – um casal.

O rapaz, bastante esforçado, estava usando pesos diferentes e a namorada o ajudava em alguns movimentos. A ajuda era necessária por ele não ter coordenação motora suficiente. Admirei o casal, foi bom vê-los treinando juntos e felizes.

No dia seguinte, fazendo minhas pesquisas para o trabalho e percorrendo as mídias sociais eu me pego com a mesmice de sempre das mensagens: trânsito horrível, fotos de gatos e cachorrinhos fofos, meme do momento, dúzias de comentários sobre política e, em particular, uma história compartilhada de um rapaz que recebeu um convite para um encontro com uma garota. No mesmo instante eu me lembrei do casal da academia. Mas havia algo diferente… eram os comentários no post: “Que inspirador!”, “Essa menina é nota 10 por ter convidado ele.”, e por aí vai.

Dois segundos pensando sobre o “Que inspirador!” e eu cheguei à conclusão que ainda há pessoas que veem um encontro ou um namoro com alguém deficiente como algo inspirador. Só pra constar: não deve ser assim.

Os comentários se concentraram no rapaz na cadeira de rodas e ao encontro. Ao contrário de reconhecer a necessidade universal do ser humano em amar e ser amado, em histórias como essas, as pessoas com deficiência não são retratadas como seres humanos adoráveis e merecedores por direito próprio. Em vez disso, os comentários deixaram a entender que ele foi recompensado por ter conseguido encontrar uma garota que se atreve a amar alguém que use cadeira de rodas ou muletas. Para tirar a minha cisma sobre o assunto e não parecer exagero, fui conversar com deficientes e ouvir deles o que achavam. Confira algumas das frases que eles já ouviram (e ainda ouvem) de pessoas:

-Você não pode ter deficiência, você é muito novo.
-Se você não pode ter filhos, você acha que alguém vai querer casar com você?
-Você se considera doente?
-Tem que ajudar você a fazer todas as coisas ou só algumas?

Felizmente, todos que conversaram a respeito tiveram (ou ainda têm) parceiros que não pensam desta forma.

A parte mais difícil para uma pessoa com deficiência que eu conversei são os olhares das pessoas quando ela está namorando. Ela comentou que é um olhar de curiosidade com uma possível reprovação. Ela sabe que não é proposital, mas isso incomoda.

Abaixo estão três pequenos depoimentos para você ler e refletir. Cabe a nós mudar o pensamento das pessoas ou ajudá-las a entender que o amor não tem barreiras.


“Acredito que podem entender que eu só quero ser bonita, não importa se estou usando muletas ou não. Quando eu vou à uma loja de lingerie, por exemplo, os funcionários me tratam bem e como qualquer outro cliente, porém, quando eles veem as muletas, muitas vezes assumem que eu estou comprando presente para outra pessoa.”

“Eu uso cadeira de rodas. Quando saio com a minha namorada, me irrita que algumas pessoas deixem claro que ela está sendo nobre por estar comigo. Ou, quando alguém me diz que os meus amigos são ótimos, sempre parece que estão dizendo – inconscientemente, talvez – que eu não sou totalmente humano. É como se eu fosse algum tipo de suporte e as pessoas estão fazendo uma “boa ação” estando ou saindo comigo.”

“Eu gosto de me sentir bem com o meu corpo. Se o meu corpo não é perfeito ou é mais frágil, não importa – ele é meu, é único e eu quero aproveitar o máximo desse mundo com esse corpo. Além disso, só porque eu uso muletas não significa que eu não seja digno de amor ou que seja menos divertido na cama… aliás, as surpresas comigo nesse campo podem ser muito boas… RsRs.”


Fonte: http://www.bodymag.com.br/

Mulher quebra o pescoço duas vezes: uma espirrando e outra rindo!

05:34:00


O que para a maioria é algo simples - embora muitas vezes desagradável -, para Monique Jeffrey se tornou um pesadelo.


A moradora de Melbourne (Austrália) quebrou o pescoço ao dar um espirro mais forte que o normal. Aconteceu em 2012, quando Monique tinha 33 anos.

À época, Monique estava com um bebê recém-nascido. Com dificuldade de movimentação, ela conseguiu ligar para a mãe, que veio ao seu socorro.

A australiana precisou de 14 meses para se recuperar, tendo que usar um colete para corrigir a lesão.

O pesadelo voltou a flertar com Monique no mês passado. Ela voltou a a quebrar o pescoço no mesmo lugar! Só que, desta vez, a fratura não foi provocada por um espirro, mas por uma gargalhada, de acordo com reportagem do "Mirror".



Médicos que cuidam de Monique ficaram boquiabertos com as lesões, dizendo nunca terem visto isso acontecer duas vezes com alguém.

A australiana está se recuperando novamente com a ajuda de colete cervical, ao lado do marido e dos dois filhos.

"Agora que aconteceu pela segunda vez, corro grave risco se ocorrer uma terceira. Estamos tentando fisioterapia para fortalecer os músculos do pescoço. Se quebrar de novo terei que passar por cirurgia de alto risco", comentou a australiana.

Conheça o Théo...

17:00:00

Olá! Sou o Théo, tenho 38 de idade e moro no litoral de Lauro de Freitas-Ba. Sofri um acidente por arma de fogo de um assaltante que me conhecia de vista no dia 13/08/1998. Ele roubou uma bike  de um amigo meu e eu fui pedir de volta, mas a gente começou a se desentender até que fui baleado e atingiu minha medula.

 Fiquei tetraplégico e tive minha vida interrompida, parei de estudar,  de trabalhar, parei de  andar de skate (modalidade street ), de surfar é parei de praticar cross bmx, todas as coisas que eu adorava fazer.

No começo foi muito difícil, não só para mim, mas também para minha família. Era um pesadelo que não acabava, sacou? Era surreal, tudo que eu estava passando, eu não acreditava... Até que fui internado no hospital  SARAH, em Salvador, e nesse momento que "caiu a ficha" e entendi o que realmente tinha acontecido comigo.

Por minha lesão ter sido muito complicada, cheguei lá bastante mal e nem mexia meu braço direito, via pessoas piores que eu, sacou? Comecei observando tudo aquilo, e ao mesmo tempo lutando para ter uma independência na medida do positivável. Vi que ali eu tinha que ser forte, esquecer do sofrimento que eu estava passando e começar a lutar com todas força para conseguir a minha meta e o que tivesse no meu alcance.

Foi aos poucos que fui conseguindo, voltei a vestir uma camisa,  minha bermuda, depois a calça, depois tomar banho, e logo vi que eu já conseguia fazer tudo aquilo sozinho.

Com ajuda de Deus, do fisioterapeuta e com minha vontade, sai de lá preparado pra enfrentar o mundo aqui fora. Desde então eu "mato leões" todos os dias, enfrento muita dificuldade nas ruas por falta de firmeza no troco e isso me atrapalha muita coisa. Mas não deixo isso me abalar, hoje em dia participo de eventos de skate, vou curtir shows que eu curto e aproveito a vida.

Dumo e acordo todos os dias para tentar se melhor que ontem. Depois de uma boa oração, passo o dia fazendo manutenção básica em computadores, limpeza e formatação. Ás vezes vendo acessório para skate,  roupas, não tenho lojas mas vendo para pessoas de confiança  para complementar a minha humilde renda para segui meu tratamento é ter uma vida feliz.

Aí, esta é um pouco da minha pequena história, fiquem todos com Deus e seja você mesmo, sempre procurando ir em lugares que vocês gostem e não precisam ficar indo para lugares só para mostrar para pessoas que vocês saem,  por que isso não adiante de nada, vocês vão ser mais felizes sendo vcs msm e que se f.... o preconceito, eles só veio para nos destruir e não vamos dar essa ousadia, sacou? Desejo à todos saúde, paz e felicidade.


Tecnologia do Blogger.